Acórdãos

Tribunal de Última Instância

    • Data da Decisão Número Espécie Texto integral
    • 19/01/2001 2/2001 Habeas corpus
    • Assunto

      - Habeas corpus
      - Prisão ilegal

      Sumário

      O habeas corpus é uma medida extraordinária e expedita destinada a pôr termo a detenção ou prisão ilegais. Trata-se de um processo célere, sem grandes formalismos, destinado a garantir o direito fundamental da liberdade das pessoas, contra a sua privação ilegal.

      Não é admissível conceder o habeas corpus quando a decisão é passível de recurso ordinário ou quando este já se encontra interposto a fim de evitar a situação de litispendência e a consequente possibilidade de, sobre o mesmo objecto, existir duas decisões judiciais contraditórias.

      Não utilizando o meio de recurso ordinário, via normal de impugnar decisão judicial, não pode o peticionante vir agora socorrer ao habeas corpus, alegando a ilegalidade da prisão, para alterar o sentido do despacho do juiz.

      Resultado

      o Tribunal julga indeferir o pedido do habeas corpus.
      Custas pelo peticionante com a taxa de justiça fixada em três UC’s.

       
      • Votação : Unanimidade
      • Relator : Dr. Chu Kin
      • Juizes adjuntos : Dr. Viriato Lima
      •   Dr. Sam Hou Fai
    • Data da Decisão Número Espécie Texto integral
    • 17/01/2001 1/2001 Recurso em processo penal
    • Assunto

      - Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência em processo penal.
      - Oposição de acórdãos.
      - Acórdão do Tribunal Superior de Justiça.

      Sumário

      Para efeitos do n.º 2, do art.º 419.º, do Código de Processo Penal, na redacção introduzida pelo art.º 73.º da Lei n.º 9/1999, de 20.12, pode constituir acórdão fundamento, ou seja o acórdão proferido em primeiro lugar, um acórdão do Tribunal Superior de Justiça.

      Resultado

      - Determina-se o prosseguimento do processo. 
      - Notifique para alegações, nos termos do n.º 1, do art.º 424.º do Código de Processo Penal.

       
      • Votação : Unanimidade
      • Relator : Dr. Viriato Lima
      • Juizes adjuntos : Dr. Sam Hou Fai
      •   Dr. Chu Kin
      • Observacões :Acórdão interlocutório
    • Data da Decisão Número Espécie Texto integral
    • 22/11/2000 17/2000 Recurso em processo penal
    • Assunto

      Nulidade dependente de arguição ou sanável
      A contradição insanável da fundamentação
      Erro notório na apreciação da prova
      A insuficiência para a decisão da matéria de facto provada
      Tráfico de quantidades diminutas de marijuana

      Sumário

      A nulidade da sentença prevista no art.º 360.°, al. b) do Código de Processo Penal é uma nulidade dependente de arguição ou sanável. Se o recorrente não tenha alegado esta nulidade no seu recurso interposto perante o Tribunal de Segunda Instância, ela fica sanada e por este motivo já não pode atacar o acórdão daquele tribunal com base na nulidade entretanto já sanada.

      A contradição insanável da fundamentação consiste na contradição entre a fundamentação probatória da matéria de facto, bem como entre a matéria de facto dada como provada ou como provada e não provada. A contradição tem de se apresentar insanável ou irredutível, ou seja, que não possa ser ultrapassada com o recurso à decisão recorrida no seu todo e às regras da experiência comum.

      O erro notório na apreciação da prova existe quando se dão como provados factos incompatíveis entre si, isto é, que o que se teve como provado ou não provado está em desconformidade com o que realmente se provou ou não provou, ou que se retirou de um facto tido como provado uma conclusão logicamente inaceitável. O erro existe também quando se violam as regras sobre o valor da prova vinculada ou as legis artis. Tem de ser um erro ostensivo, de tal modo evidente que não passa despercebido ao comum dos observadores, ou seja, quando o homem de formação média facilmente dele se dá conta.

      Para se verificar a insuficiência para a decisão da matéria de facto provada é necessário que a matéria de facto provada se apresenta insuficiente, incompleta para a decisão proferida por se verificar lacuna no apuramento da matéria de facto necessária para uma decisão de direito adequada. Aparece o vício quando os factos dados como provados pelo tribunal sejam incompletos para chegar correctamente à solução de direito constante da decisão recorrida.

      Os 28 gramas de marijuana excede largamente a quantidade diminuta referida no art.º 9.°, n.° 1 e 3 do Decreto-Lei n.° 5/91/M, ou seja, a do consumo individual durante três dias. Então, seja qual for a quantidade de marijuana destinada para o consumo do recorrente, só a venda de 28 gramas de marijuana torna impossível integrar a conduta do arguido no crime de tráfico de quantidades diminutas previsto e punido pela norma acima citada.

      Resultado

      Face aos expostos, o Tribunal julga rejeitar o recurso.

      Condena o recorrente no pagamento da importância em 4 UC (duas mil patacas) nos termos do art.º 410.º, n.º 4 do CPP e das custas com a taxa de justiça fixada em 5 UC (duas mil quinhentas patacas).

       
      • Votação : Unanimidade
      • Relator : Dr. Chu Kin
      • Juizes adjuntos : Dr. Viriato Lima
      •   Dr. Sam Hou Fai
    • Data da Decisão Número Espécie Texto integral
    • 11/10/2000 13/2000 Recurso em processo penal
    • Assunto

      Rectificação de erro material.

       
      • Votação : Unanimidade
      • Relator : Dr. Viriato Lima
      • Juizes adjuntos : Dr. Sam Hou Fai
      •   Dr. Chu Kin
    • Data da Decisão Número Espécie Texto integral
    • 29/09/2000 13/2000 Recurso em processo penal
    • Assunto

      Poder de cognição do TUI em recurso, em processo penal, correspondente a terceiro grau de jurisdição.
      Erro notório na apreciação da prova.
      Leitura, em julgamento, de declarações anteriormente feitas pelo arguido.
      Atenuação especial da pena. Idade inferior a 18 anos.

      Sumário

      1. Em recurso, em processo penal, correspondente a terceiro grau de jurisdição, o Tribunal de Última Instância (TUI) apenas conhece de matéria de direito, bem como dos vícios do n.º 2, do art. 400.º do Código de Processo Penal (insuficiência para a decisão da matéria de facto provada, contradição insanável da fundamentação e erro notório na apreciação da prova) e da nulidade insanável, nos termos do n.º 3, do mesmo art. 400.º.

      2. Como o TUI apenas conhece de matéria de direito, nunca procede a renovação da prova, mesmo na hipótese prevista no art. 415.º, n.º 1, do Código de Processo Penal, havendo antes lugar a reenvio do processo para novo julgamento, nos termos do art. 419.º, n.º 1, do mesmo diploma legal.

      3. Haverá erro notório na apreciação da prova quando um homem médio, posto perante a decisão, de imediato dá conta de que o tribunal decidiu contra o que ficou provado ou não provado, ou contra as regras da experiência ou contra as legis artis.

      4. Nos julgamentos em que o arguido não está presente, pode o seu defensor solicitar a leitura de declarações anteriormente feitas pelo arguido, seja qual for a entidade perante a qual tiverem sido prestadas, nos termos da alínea a), do n.º 1, do art. 338.º do Código de Processo Penal.

      5. A acentuada diminuição da culpa ou das exigências da prevenção constitui o pressuposto material de atenuação especial da pena, pelo que a idade inferior a 18 anos, ao tempo do facto, não constitui fundamento, por si só, para tal atenuação.

      Resultado

      negam provimento ao recurso, confirmando o Acórdão recorrido.
      Custas pelo recorrente, fixando a taxa de justiça em 7 UC.

       
      • Votação : Unanimidade
      • Relator : Dr. Viriato Lima
      • Juizes adjuntos : Dr. Sam Hou Fai
      •   Dr. Chu Kin